segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

 
Maus tratos a idosos  

S. O. S. Pessoa Idosa

Graça Messias, Psicóloga Clínica






Apesar do progresso dos estudos sobre o envelhecimento e a terceira idade, permanece pouco difundido e a merecer o destaque e vigilância de todos nós, a questão da violência à pessoa idosa. É um assunto que devemos considerar inadiável.

Preconceituosamente, é considerado que a pessoa idosa deixa de ser produtiva com o seu declínio biológico, social e psicológico, predispondo-se a um ambiente de relações perturbadoras e aflitivas, cujo idoso pode tornar-se vítima de agressividade resultando em sequelas de enfermidades e desequilíbrios emocionais.

Dentre estas atitudes e observações infelizes de pessoas mal informadas, com latentes desarmonias mentais, há fatores de stresse que propiciam com frequência comportamentos e atitudes de imposição, de dor e sofrimento que ofende a integridade física, moral e psicológica contra a pessoa idosa.

Considerando os obstáculos que dominam o âmbito familiar, como o desemprego, o afastamento social, os quadros demenciais, a dificuldade financeira, etc, sabe-se que os maus tratos podem ser um efeito exteriorizado na pessoa idosa, resultantes do próprio bem-estar comprometido ou da submissão familiar em que ela se encontra.

Não bastassem as transformações naturais do processo de envelhecimento, os agressores incapacitantes dominam um cenário com atitudes únicas e repetidas, encarregando-se de provocar na vítima idosa profundo sofrimento e destrutivas alterações na qualidade de vida.

Graça Messias
Licenciada pela Faculdade Salesiana de Lorena/Brasil e Mestre em Psicologia Clínica do Desenvolvimento pela Universidade de Coimbra.

Chamando-nos a atenção a este cenário, é importante identificarmos alguns tipos de maus tratos contra os idosos:

  • Maus tratos físicos: refere-se ao uso da força física, incluindo a agressão física, obrigando a pessoa idosa a cumprir ordens, provocando-lhe dor e traumatismos.
  • Maus tratos psicológicos: retrata agressões verbais aos idosos, mantidas com ameaças que assustam e conduzem à humilhação.
  • Negligência: expressa-se pelo desprezo às necessidades básicas, pela reduzida ou falta de cuidados diários e de proteção à pessoa idosa, causando e agravando danos à sua saúde física, psicológica e social.
  • Abuso financeiro: exploração dos recursos financeiros e materiais, como levantamentos indevidos de dinheiro, assinaturas falsificada do idoso e chantagem entre outras, aquisição inviáveis de bens, etc.
  • Abuso sexual: corresponde a atos e relações sexuais sem o consentimento do idoso através de ameaças.
  • Abandono e Isolamento: consiste em privar a pessoa idosa de companhia familiar, de contato social, encarcerando e confinando os seus espaços no domicílio.

Com base nestas limitadas tipificações, não é menos importante conhecermos os sinais e sintomas que levam à suspeita de violência contra os idosos. Atentamente, podemos perceber sinais de desnutrição, desidratação, descuidos de higiene pessoal, ferimentos, fraturas e nódoas negras, agitação, sintomas depressivos e de ansiedade, medos inexplicáveis, choro fácil, apatia, mutismo, entre outros sinais físicos e emocionais indicativos de maus tratos.

Tudo isso e muito mais, acontece mediante a fragilidade, a incapacidade física, cognitiva ou psicológica da pessoa idosa que se torna um alvo muito fácil, praticados, na maioria das vezes, pelos próprios familiares e cuidadores institucionais.

A violência é um assunto urgente e de saúde pública. Cabe não só aos órgãos governamentais mas também a cada um de nós, acionarmos um S.O.S. por conhecimentos e de denúncia a qualquer ato de maus tratos contra a pessoa idosa.



Referências

  1. Dias, Isabel. Envelhecimento e Violência contra os idosos. Revista da Faculdade de Letras: Sociologia, I série, vol. 15 (2005), p. 249-274
  2. Siqueira LEA. Estatuto do idoso de A a Z. São Paulo: Idéias e Letras; 2004
  3. Ballone, G.J. Alterações Emocionais no Envelhecimento. In www.psiqweb.med.br, revisto em 2004