quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

 


Prevenção de fraudes na saúde aumentou em 2014






A Polícia Judiciária (PJ) realizou no ano passado 10 operações de combate à fraude na saúde das quais resultaram 67 arguidos, tendo sido ouvidas mais de 400 testemunhas.

Segundo um balanço oficial da fraude na saúde em 2014, a que a agência Lusa teve acesso, os encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) com os prevaricadores ascendem a 347 milhões de euros, apesar de os montantes com a fraude não se encontrarem ainda contabilizados.

Isto significa que mais de 300 milhões de euros foram pagos pelo SNS aos prevaricadores, mas nem todo o dinheiro pode estar ligado à fraude, podendo haver uma fatia que é legal.

De acordo com os números oficiais do Ministério da Saúde, só a Autoridade do Medicamento (Infarmed) realizou em 2014 quase 1.400 inspeções.

Destas, a maior fatia (845) foi em farmácias, 163 em distribuidores de medicamentos e 40 a fabricantes de fármacos.

O Infarmed fez ainda 17 inspeções a boas práticas clínicas, nove a titulares de Autorização de Introdução do Mercado de medicamentos, 160 a entidades ligadas a produtos cosméticos, 89 a fabricantes e distribuidores de dispositivos médicos e 18 a locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica.

No total foram instaurados 91 processos de contraordenacçao e 11 situações foram comunicadas à PJ.