quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

 


Auditoria do Tribunal de Contas aos Cuidados de Saúde Primários






O Tribunal de Contas identificou "falta de coerência e transparência" na atribuição de compensações aos médicos nas Unidades de Saúde Familiar, modelo B, e levantou dúvidas sobre 5,2 ME em prémios de desemprenho a enfermeiros e assistentes.

Esta é uma das conclusões de uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC) ao desempenho das unidades funcionais da rede de cuidados de saúde primários, que incidiu sobre Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP), Unidades de Saúde Familiar (USF) e Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), entre 2009 a 2012.

A auditoria, a que a agência Lusa teve acesso, visou avaliar a organização e o desempenho das unidades funcionais prestadoras de cuidados primários, no contexto da reforma empreendida neste nível de prestação de cuidados de saúde, nos últimos cinco anos, tendo em conta o desempenho económico-financeiro, operacional, bem como, os regimes de incentivos, compensações e suplementos.



Referências

  1. Auditoria financeira ao exercício de 2011 da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). Tribunal de Contas. 2014