segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

 


António Costa ataca  política de saúde do Governo






"Como temos defendido e propomos no programa de Governo, é urgente melhorar a acessibilidade dos cidadãos aos cuidados de saúde e gradualmente ir diminuindo o valor das taxas moderadoras, de forma a termos um mais justo equilíbrio entre a contribuição dos cidadãos e do Estado", disse o líder socialista.

António Costa, que falava aos jornalistas à entrada para uma reunião com autarcas socialistas, defendeu a expansão das unidades de saúde familiar e prometeu criar 100 novas unidades nos próximos quatro anos.

"Este é um investimento que permite poupar, e a poupança não se faz com cortes cegos mas com os investimentos adequados", salientou o dirigente do PS, que defendeu também uma aposta nas unidades de cuidados primários.

O Relatório da Primavera 2015, elaborado pelo Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), analisou a saúde dos portugueses após a intervenção da 'troika' e concluiu que faltam enfermeiros, os médicos estão mal distribuídos e que o valor das taxas moderadoras afasta os utentes.

Segundo António Costa, os resultados do relatório do OPSS são fruto "da ação e da inação política deste Governo, pelo que é preciso inverter esta tendência, dando prioridade à promoção da saúde e à defesa do Serviço Nacional de Saúde".