sábado, 24 de Junho de 2017

 


Madeira quer fazer chegar medicamentos a emigrantes na Venezuela






O Governo está a estudar parcerias com empresas farmacêuticas para que os medicamentos possam ser excecionalmente distribuídos aos emigrantes mais necessitados na Venezuela, diz uma nota hoje divulgada pelo executivo madeirense.

O documento foi difundido pelo gabinete do secretário dos Assuntos Parlamentares e Europeus da Madeira, Sérgio Marques, dando conta da reunião que este manteve hoje com o secretário de Estado das Comunidades, José Luis Carneiro, no âmbito da preparação da viagem que o governante madeirense vai efetuar à Venezuela entre os dias 24 de junho e 05 de julho.

O documento diz que  Sérgio Marques foi informado de que o Governo da República está a estudar parcerias com empresas farmacêuticas de modo a que as associações portuguesas e os postos consulares possam distribuir excecionalmente medicamentos entre os mais necessitados, respondendo ao repto que o Governo regional lançou há alguns meses. .

Também aponta que desta reunião  saiu a garantia prestada pela TAP de que continuará a fazer três ligações semanais com Caracas .

A nota menciona que foram ainda debatidas entre os representantes dos governos regional e nacional questões relacionadas com os regimes de apoio aos emigrantes, nomeadamente os vocacionados para os mais carenciados nas comunidades portuguesas e o a idosos com necessidades, sublinhando que estes programas registam poucas candidaturas.

Deste modo, será sensibilizado o movimento associativo dos emigrantes, naquele país da América do Sul, para motivar os nossos conterrâneos que estejam em particular dificuldades a apresentar as suas candidaturas, mantendo-se uma articulação e uma relação próxima entre a rede consular e o movimento associativo , informa o gabinete de Sérgio Marques.

Neste encontro, o responsável insular foi informado de que a embaixada portuguesa em Caracas voltará a ter uma conselheira social, uma magistrada de carreira Venezuela, o que permite  suprimir uma falta que o corpo diplomático nacional vinha apresentando há já algum tempo .

A reunião aconteceu na sequência do acordo estabelecido entre os dois executivos com o objetivo de monitorizar de forma permanente a informação disponível sobre os destinos de emigração com uma forte presença madeirense.

Foram estabelecidos quatro planos de contacto com a Venezuela, através da ministra dos Negócios estrangeiros daquele país, da rede consular, do movimento associativo e da Rede de empresas propriedade de portugueses/madeirenses, conclui a informação.

Na Venezuela reside uma das maiores comunidades de emigrantes madeirenses, sendo a comunidade portuguesa naquele país estimada entre 500 mil e um milhão de pessoas.

www.dnoticias.pt, 20160714
http://www.dnoticias.pt